AVvXsEjnip4L40ldw3Z5_H__SIgPWU9kMMYZYsd_A6Ycs_nGkQ17vuntwMZ2e3VxiGS6Qu2k3EdMlpwGRryc5gGPhaZ3qZ0h5lSSxcN2TGusm5tlRspwW35tU44sOiPvd-d0tHg8iHdPveMeksdO-FXyCLwA5NuI0dsYakSqyg-qXIE9krYRdcmSXQu8ctdlVJk5=w640-h358 Microsoft venceu FTC no tribunal e pode ficar com Activision

O pedido de liminar do FTC (Federal Trade Commission), acaba de ser negado pela juíza Jaqueline Scott Corley, que decretou a vitória da Microsoft no caso da Aquisição da Activision Blizzard, permitindo-a assegurar a fusão com a publisher.

A Microsoft triunfou no processo antitruste após uma semana de depoimentos. Agora, o próximo desafio é persuadir o regulador britânico Competition and Markets Authority (CMA)para obter a aprovação da aquisição. No entanto, o FTC ainda tem a possibilidade de apelar nos próximos três dias.



Segue a decisão da juiza:

“A aquisição da Activision pela Microsoft foi descrita como a maior da história da tecnologia. Merece escrutínio. Esse escrutínio valeu a pena: a Microsoft se comprometeu por escrito, em público e no tribunal a manter Call of Duty no PlayStation por 10 anos em paridade com o Xbox.

Ela fez um acordo com a Nintendo para trazer Call of Duty para o Switch. E fez vários acordos para trazer pela primeira vez o conteúdo da Activision para vários serviços de jogos em nuvem. A responsabilidade deste Tribunal neste caso é estreita.

É para decidir se, apesar dessas circunstâncias atuais, a fusão deve ser interrompida — talvez até encerrada — enquanto se aguarda a resolução da ação administrativa do FTC.

Pelas razões expostas, o Tribunal considera que o FTC não demonstrou probabilidade de prevalecer em sua alegação de que essa fusão vertical específica nesse setor específico pode diminuir substancialmente a concorrência.

Pelo contrário, a evidência recorde aponta para um maior acesso do consumidor a Call of Duty e outros conteúdos da Activision. Assim, REJEITA-SE o pedido de liminar.”




A decisão permite que o acordo seja concluído antes do prazo limite de 18 de julho. Atualmente, a Microsoft está em processo de apelação após o bloqueio da proposta de compra determinado pelo CMA. 


Resta saber se a CMA  irá liberar a realização desse acordo antes do18 de julho e se não quais serão as consequências desse entrave.


Veja Também: 

Related Post

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *