FURjWyRXwAwfyCS Thor: Amor e Trovão recebe vários elogios da crítica internacional
O embargo da crítica internacional para Thor: Amor e Trovão caiu oficialmente, e parece que a Marvel Studios tem outro sucesso nas mãos.  Ao mesmo tempo, também é mencionado que já há um certo desgaste com a fórmula que consagrou esse Universo Cinematográfico.  

Ben Kendrick, Screen Rant:  ‎Em última análise, Taika Waititi aumenta a aposta em ‎‎Thor: Amor e Trovão, entregando um filme que é tão comovente quanto engraçado. O diretor mais uma vez coloca uma linha de base de comédia agitada, mas, ao contrário de ‎‎Ragnarok‎‎, o cineasta também tece uma mensagem genuinamente afetuosa sobre a vida e o amor. É uma mensagem que, no final, informa e evolui o personagem-titular e Jane Foster, pagando um enredo de uma década e estabelecendo novos tópicos interessantes que podem se estender a futuros filmes.‎  ‎

Caitlin Chappell, Comic Book Resources:  ‎Para aqueles que não eram fãs do tratamento mais cômico de Thor em ‎‎Ragnarok‎‎, ‎‎Amor e Trovão pode trazer um sentimento decepcionantemente familiar. Há também momentos que estão principalmente lá para uma recapitulação, mas mesmo assim, é feito de uma forma divertida. Enquanto isso, aqueles que amam ver este lado do auto-proclamado Vingador mais forte não ficarão desapontados. ‎‎Thor: Amor e Trovão faz jus ao seu nome e prepara o palco para um futuro emocionante para este canto do Universo Cinematográfico Marvel.‎  

Leah Greenblatt, Entertainment Weekly:  ‎Mesmo em Valhalla ou Paradise City, porém, ainda há amor e perda; ‎‎Thor ‎‎entrega ambos, e catarse em um clímax que inevitavelmente funciona como uma configuração para o futuro. Cada vez mais, esse universo cinematográfico se sente simultaneamente grande demais para falhar e muito amplo para suportar o peso de suas próprias maquinações intermináveis. Nada disso necessariamente faz mais sentido nas mãos de Waititi, mas pelo menos alguém está se divertindo.‎  ‎

David Ehrlich, IndieWire:  ‎Amor e Trovão funciona tão bem porque tudo é empurrado além do que a maioria desses filmes normalmente permitem. O humor no Universo Cinematográfico Marvel é muitas vezes limitado a piadas sorridentes sobre super-heróis fazendo coisas cotidianas em uma espécie de “Shamballa é a senha wi-fi”, mas Waititi continua a iluminar os filmes do Deus do Trovão com seu próprio sabor de loucura, que é tão bem-vindo aqui quanto em Jojo Rabbit.  

David Rooney, The Hollywood Reporter:  ‎Mais do que os filmes mais recentes do Universo Cinematográfico Marvel, o roteiro de Waititi e Jennifer Kaytin Robinson mostra uma crise de imaginação, muitas vezes contando com risadas fáceis de referências transculturais (Korg continua recebendo o nome de Jane errado, chamando-a de Jane Fonda ou Jodie Foster) ou kitschy pop (Enya, Abba) em vez de fazer algo interessante com os personagens ou construir gravidade real em sua situação.  Até mesmo a inclusão de personagens homossexuais — Valquíria anseia pelo amor de sua irmã guerreira perdida; Korg revela que sua espécie tem relações entre machos – parece mais uma representação vazia do que qualquer coisa vitalmente fundamentada na narrativa.‎  

Alonso Duralde, The Wrap:  Se esse filme tinha o objetivo misturar gêneros dando o mesmo peso para as máscaras de comédia e tragédia, é um esforço que fica aquém. E se o Universo Cinematográfico Marvel quiser adiar o inevitável desgaste de suas boas-vindas, Kevin Feige e companhia podem querer prosseguir com a experimentação e ecletismo que são vistas na TV (como Loki e Ms. Marvel) em vez de desgastar o público com a exaustão lenta que começou a se infiltrar nos longas-metragens.‎   

O filme encontra Thor (Chris Hemsworth) em uma jornada diferente de tudo o que já enfrentou – uma busca por autodescoberta. Mas sua aposentadoria é interrompida por um assassino galáctico conhecido como Gorr, o Carniceiro dos Deuses (Christian Bale), que busca a extinção dos deuses.  Para combater a ameaça, Thor conta com a ajuda de Rei Valquíria (Tessa Thompson), Korg (Taika Waititi) e da ex-namorada Jane Foster (Natalie Portman), que – para surpresa de Thor – está empunhando seu antigo martelo, Mjölnir, como a Poderosa Thor. Juntos, eles embarcam em uma aventura cósmica angustiante para descobrir o mistério da vingança de Gorr, e pará-lo antes que seja tarde demais.”  

Thor: Amor e Trovão é dirigido por Taika Waititi e chega aos cinemas brasileiros na próxima quinta-feira, 7 de julho.

👉 Siga o Nerd Connection nas redes sociaisFacebookInstagramTwitterTik TokPinterest e Youtube

👉 Participe dos nossos grupos oficiais no [WHATS APP] e [TELEGRAM], você será muito bem vindo/a.

Related Post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *